sexta-feira, 30 de abril de 2010

DESABAFO!!!

Bem, acho que esta avaliação é tardia, se é que seja tarde pra falar o que se pensa. Quero dizer que estou escrevendo agora porque fiquei muito tempo tentando digerir estas coisas e se tivesse conseguido, provavelmente não escreveria. Mas acontece que não deu!

Com o fim da greve puxado pela direção do sindicato, fiquei muito triste, pois trabalhei muito naqueles dias num comando de greve que teve medo de ousar nas suas atitudes e depois findou a greve sem um motivo aparente, mas fiquei mal mesmo por ter de retornar a escola com NADA nas mãos.

Vocês puderam ver na assembléia que as diretoras do sindicato fizeram acordo de não contar para a categoria que o reajuste era dividido de 2 vezes, ainda bem que a Thaís estava na comissão de negociação e nos contou isso lá no microfone. Aí eu penso: uma direção de sindicato que tenta enganar a categoria? Que direção é esta?

Mesmo assim acreditei que as colegas, educadoras infantis, que estão nesta diretoria, que nos deu o golpe, fosse pensar na categoria, em nós. Acreditava que elas tinham participado de tal golpe por ingenuidade, pois não conhece os ‘companheiros’ do PSTU de perto assim como Thaís, Gislane e eu conhecemos, não sabem que eles sempre se ausentaram da discussão da educação infantil. Eles nunca estiveram presentes nos momentos decisivos da nossa classe, nunca estiveram em nossos coletivos... Mas no coletivo da educação infantil do último dia 22 de abril comecei a desacreditar nisso.

Vi o empenho de nossas colegas para comprovar que era hora de acabar com a greve, mesmo com a vantagem ao nosso lado, as vi usarem dados MENTIROSOS para justificar a fraqueza da diretoria ‘maioria’. E fiquei arrasada. Até o pessoal do PSTU que nem é diretoria mais estava lá para ver o desempenho de suas pupilas.

Quando o golpe aconteceu não me pronunciei formalmente porque não podia bater em quem era novato nesta diretoria, mesmo sendo uma diretoria desonesta. Mas agora não consigo mais ficar calada.

Duas dessas meninas que estão lá, já estão na rede há 5/6 anos como muitas de nós, mas enquanto lutávamos pelo calendário igual, enquanto lutávamos pelos nossos direitos elas estava assistindo a tudo de camarote em suas UMEIS. Enquanto estávamos sendo pressionadas, ameaçadas pela PBH elas estavam furando nosso movimento escondidas atrás do medo e dos muros da escola. E agora que já vencemos grande parte das nossas lutas elas se acham no direito de nos puxar pra trás?

E as outras que mesmo estando na rede nunca deram a cara em nossas assembléias, em nossas reuniões, em nosso coletivo agora vêm dizer que não somos autossuficientes?

Colegas da direção golpista do sindicato, nós fomos pra corregedoria pra defender NOSSO direito de trabalhar com o mesmo calendário que os professores do ensino fundamental, enfrentamos o restante da categoria e provamos que somos capazes e merecemos o respeito dos colegas e da administração desta prefeitura SOZINHAS. Ninguém esteve ao nosso lado a não ser algumas professoras P1 que ainda estão na educação infantil.

Somos sim autossuficientes! Isso não quer dizer que abrimos mão de ter os colegas professores do nosso lado. Queremos sim e precisamos, mas neste momento estamos sentindo a necessidade de andar sem medo de soltar a mão.

A diretoria do sindicato provou que não pensa na gente. A categoria comprou o discurso de vocês e agora vamos ganhar 15 reais em abril e 15 em setembro.

Não fizemos a prefeitura colocar em negociação as reuniões pedagógicas, o fim do abono, um plano de ação para implementação da unificação da carreira. Não negociamos sequer um índice de recomposição das perdas salariais. E vocês vêm dizer que a educação infantil ficou choramingando? Me poupem! O que vocês ganharam com isto? Nós não ganhamos nada!

Se vocês não querem lutar, não lutem, mas deixe que as meninas que sempre lutaram continuem sendo guerreiras. Vocês ficaram escondidas ‘na caverna’ até agora e quando saem e vêem a luz ficam assustadas? Nós estamos aqui a quase 6 anos brigando, apanhando e algumas vezes batendo pra conseguir a NOSSA unificação na carreira.

Deixe nossos inimigos na PBH, no sindicato precisamos de companheiros de luta, não de pelego medrosos. Se vocês não têm competência, saiam daí. Deram um golpe e não tem sequer competência para estar neste lugar. Voltem pras UMEIS de vocês, aprendam a lutar e só assim retornem. Senão parem de falar asneiras e vá estudar um pouco. Leia as revistas do sindicato, leia nosso blog, leia o blog dos professores, participe dos fóruns e grupos da internet para conhecer a história de luta que temos aqui nesta rede para depois falar em autossuficiência, em fraqueza, em medo.

Quantas UMEIS que estavam furando greve vocês visitaram para que elas aderissem ao movimento? Querem saber quantas nós – Thaís, Gislane, eu, Cleizibel, Sheila e diversas colegas de luta – visitamos? Quantas paralisamos?

Faço um apelo a todas e todos as/os colegas da educação infantil para que participem mais desses coletivos, precisamos estar lá para delinear as ações desta diretoria e cobrar um posicionamento mais próximo do que a gente espera, senão o fundo do poço nos espera.

Desculpa pelo desabafo, pois o sentimento de abandono é grande. Sem uma diretoria consciente e de luta, tendemos a despencar nas nossas conquistas e ficar mais 6, 10 anos esperando que outras pessoas venham levantar nossa bandeira.

[...]

Abraços,

Cristiane

22 comentários:

Cristiane disse...

Queria dizer mais coisas....mas preferi manter a compostura!!! rsrs

ALESSANDRA disse...

Cristiane,
Acompanho o blog de vcs desde o ínicio. Também estou desolada desde o fim da greve. Estamos sós: esta foi minha constatação. Lutei muito para minha Umei permanecer na greve e no final éramos apenas 4 ( e uma de licença)- somente 3 turmas paradas. Muito desgastante... Muito mesmo... Nem vou entrar nos detalhes mais sórdidos...rsrsrsrsr Mas eu ficaria, mesmo com um cargo apenas, mesmo se eu tivesse que pegar empréstimos, mesmo correndo todos os riscos, mesmo sozinha, eu permaneceria em greve. Entrei no primeiro dia e iria até o fim. Mas não este melancólico fim, este equivocado fim, este fim pelego, covarde, vergonhoso, indigno. O que eu vi foi a metade(e mais 1 ????????? será?????)daquela assembléia se comportar como "massa de manobra". Meu Deus!!! Já fui várias vezes pra rua para garantir a permanência do Meio Passe de Estudante quando morei em Vitória (ES). Já pintei a cara e derrubei um presidente. Eu sei o que é luta, eu sei o que é vitória. E não é 4,11%. E não é o não corte de dias parados. É muito mais. Que discurso é esse "melhor 4% que nada", 30 reais são nada!!!! Era melhor ter ficado até a grave acabar por si mesma, 60% das escolas, 50%, 40%, 30%, 20%, 10%, 5%, "só eu" ... mesmo voltando sem nada seria mais digno e poderíamos falar que lutamos até o fim. O que a metade (???) da assembléia fez foi desistir da luta. Se deixaram levar por discursos manipuladores, se deixaram enganar por um prefeito que não é político, e sim, empresário. Se eu quisesse ter um patrão empresário eu teria continuado na escola particular (ganhando mais diga-se de passagem).
Enfim... desculpe o desabafo... vamos continuar... precisamos continuar...
Alessandra.

Drika Sanz disse...

Cristiane, Gostei do seu "manifesto". Para mim no fim daquela greve, ficou muito claro a manipulação do sindicato e de que não temos o apoio das P1s.
Acredito que temos que trilhar esse caminho "soltando a mão e andando sozinhas". Vamos acreditar e lutar por isso.
Abraços,

Anônimo disse...

É Cris... tá difícil de falar em voltar para o sindicato para participar de algum movimento, fiquei decepcionada com a postura deste sindicato. Realmente eles foram manipuladores e atropelaram nossos sonhos e possíveis conquistas....
O que será que a Direção do sindicato pensa a respeito dessa ação maquiavélica????? Ficamos desoladas, chateadas e pior de tudo sem motivo para participar de algum outro movimento. Não fui a última reunião do sindicato, nesta quinta-feira, porque ainda não estou pronta para encarar pessoas tão inescrepulosas que jogam com a categoria....realmente não dá ainda...
Sabe amiga, ouvi uma vez que enquanto houver um suspiro, há esperança...conte comigo sempre...
Cleizibel Gontijo

Jace disse...

Se fosse possível, fundaríamos outro sindicato, pois esse que temos, não pode se chamar sindicato. É mais uma ferramenta da prefeitura para nos enganar. Bom, está claro que não podemos contar com as P1, pois nossa luta é outra. E daí? O que vamos fazer? Criar um movimento próprio? Será que nossas colegas terão capacidade de organização? Seria uma boa, se conseguíssemos.
Outa coisa: E esse vergonhoso "prêmio" de participação em reuniões? A categoria está disposta a não aceitar? Penso que aceitar, é concordar com ele e nós não concordamos. Embora tenha sido votado, aceitar seria uma demonstração de submissão às decisões arbitrárias da prefeitura.

gi gama disse...

Companheiras da Educação Infantil e minhas queridas amigas Cris e Thaís,

Desde do fim da greve que eu não tenho paz na alma, faço das palavras da Cris as minhas.

Até hoje eu não digeri o fim da nossa greve e muito menos da falsa composição da direção do sindicato. Aquelas diretoras golpistas do SindRede/BH que dizem nos representar, são oportunistas, despolitizadas, são robôs da Vanessa, não visitam escolas, não sabem sequer dá um informe. Aliás, nunca vi as supostas representantes da Educação Infantil nas nossas lutas anteriores. O que elas conseguiram para nós? NADA...NADA... O que fazem por nós? Acordo com o Lacerda.
INDIGNAÇÃO, REPÚDIO, ASCO...
Cambada de traidoras do sindicato, vocês sabiam das dificuldades que as UMEIS estão enfrentando? Vá lá na minha umei resolver os casos de assédio moral e violência. Eu quero vê as suas caras de pau!
COMEÇEM A TRABALHAR JÁ, SUAS MEDROSAS!

Gislane (UMEI Alaíde Lisboa)

gi gama disse...

No dia 09 de Abril, quando a Vanessa deu o informe dos 4,11% com um sorriso naquela cara de pau, já acreditava que a greve acabaria naquele dia. Não demorou muito, né? Mas tb esperar o que de uma pessoa que só vai nas escolas no período de eleição do sindicato, digo escola, pq umei nem pensar, na verdade foi na minha como uma afronta, né?
O sindicato virou sede do partido do PSTU, aguardem... As eleições estão aí. Nem boletim informativo a minha umei está recebendo do sindicato. Pq o tempo deles é para trabalhar na candidatura dela, ou de alguém da turma, fiquem atenta(o)s.

Jace disse...

Vejam no site do sind rede como ainda têm a capacidade de dizer que a greve foi produtiva e que houve bons reusltados! Será que acreditam msmo nisso? Será que alguém acredita nisso? É tampar o sol com a peneira!
Só acreditam nessa mentira, aquelas que entraram na greve com uma vontade louca de voltar pra sala de aula. Entraram apenas pra não fazer feio, mas no fundo, estavam morrendo de vontade de acabar com a greve. Essas foram aquelas que votaram para que a greve acabasse. Não foi apenas pelo que disseram a Vanessa e o Pedro. Estavam msmo querendo isto. Depois ficam reclamando que a educação no Brasil está um caus, que não tem condições de trabalhar e coisa e tal, mas na hora de fazer alguma coisa, dão pra traz! Cambadas de Pelegos! Temos msmo é que fazer o MOVIMENTO PRÓ EDUCAÇÃO INFANTIL já! Essa pelegada que se dane!

Cristiane disse...

Gente,
que bom saber que muitas pensam assim como eu. Mas gostaria de ouvir tbm quem pensa diferente. De ver aqui uma postagem das educadoras que estão no sindicato. A diversidade é que nos faz crescer.

Mas também quero dizer algumas coisas:
1. É importante a gente não desmobilizar, pois se isso acontecer aí é que o PSTU e essas 'mocinhas ingênuas' vão afundar a gente mesmo;
2. É importante a gente começar a pensar em se organizar de forma diferente mesmo, mas ainda não estou defendendo um sindicato próprio não. Devemos fazer com que este nos represente, mesmo que pra isso a gente precise comprar briga com o povo que tá lá. Se a gente romper com o restante da categoria fica mais difícil exigir tratamento igual;
3. Não quero romper com a categoria, desejo mesmo é alcançar mais um degrau nesta luta pelo nosso reconhecimento e fazer a direção do sindicato nos enxergar e nos respeitar, assim como acredito que a categoria já nos respeite mais do que era no íncio. Eles decidiram findar a greve pq a diretoria chamou pelo fim, se todos do comando de greve tivesse defendido a continuidade ela iria vencer;
4. por fim, é importante que todas as UMEIS e escolas com educação infantil tire um representante para ir à reuniões e lá nos ajudar a mostrar pra essa direção pelega o que queremos.

Na minha UMEi costumam dizer que 'juntas somos mais' e eu acredito nisso!
Vamos juntas/os conquistar nossos objetivos!!

Abraços,
Cris

Jace disse...

Penso que deveríamos iniciar nosso movimento e quem quiser que nos acompanhe. Temos que mostrar que temos capacidade de mobilização e que não temos medo. Só assim, seríamos respeitadas. Pedir apoio às demais, acho bobagem. O movimento é nosso e apenas nós, educ Infantis sabemos onde aperta nosso sapato. Portanto, não devemos ficar esperando apoio alheio.

katia Cardoso disse...

Pessoal,
Penso como a Cristiane, não acho que devemos desmobilizar, apesar de pouco tempo atrás ter inclusive defendido a separação, mas refletindo melhor, acho que entrariamos em total contradição! como pedimos igualdade, se não estamos juntos?
Devemos é exigir que a representação no sindicato seja de um número maior de educadoras. sou p1 também,e muito me incomoda esta diferenciação da Pbh, e não acho que P1 não esteja nem aí para educador infantil! Temos que parar de pensar que a diferença esta na categoria, se não sofreremos demais! Enfrentei a primeira greve, sofri processo e respondi por eles duas vezes na corregedoria, mas tenho orgulho disto!Devemos lutar contra os desmandos da PBH, e não contra nós mesmos!Os problemas estão presentes em todas as Umeis, e devemos enfrentá-los sem medo e com jogo de cintura!
lutar sempre!
kátia Cardoso

Jace disse...

Kátia, vc não serve de exemplo, pois é ed. Infantil, apesar de P1 também. Não acho que devamos desmobilizar, apenas acho que devemos iniciar o movimento, sem ficar esperando apoio da categoria inteira. É claro que não podemos generalizar, sabemos que tem muitas professoras e professores que lutam pela educação, de uma maneira ampla, mas temos que entender que os problemas da educação infantil são bem peculiares. Se conseguirmos fazer uma boa mobilização, acredito que muita gente irá nos apoiar, porém, tem que partir de nós.

gi gama disse...

Em nenhum momento eu disse que deveríamos separar da categoria, e sim cobrei uma postura digna das supostas representantes da Ed. Infantil no sindicato.

A Ed. Infantil tem uma demanda diferente do ensino fundamental e médio, e infelizmente os pseudos diretores do SINDREDE/BH não estão dispostos ajudar, isso é explícito. Então nós educadoras infantis temos que ir à luta, pq eu posso contar nos dedos as P1 (refiro-me as professoras que não têm um BM de Educador) que lutam com a gente.

Obs. A UMEI Alaíde Lisboa têm problemas escandalosos em comparação com as demais. Já que o título do texto é Desabafo, então deixo aqui o meu protesto. E se alguém me assediar moralmente amanhã na umei por causa do meu desabafo, desta vez eu tomarei providências no judiciário. Da última vez que eu desabafei, alguém veio me dizer que roupa suja se lava em casa, se houver algum comentário desse nível no meu ambiente de trabalho, vou mostrar que roupa suja se lava tb por meio de processos judiciais.

EMPTN disse...

Interessante perceber como as pessoas tentam desconstruir e denegrir toda uma trajetória. Antes de muitas de vocês atentarem para as questões da Educação Infantil, eu já lutava por isto, pautada em muita coerência. Todas as minhas convicções nã se alteraram com a minha entrada na diretoria do SindREDE. Estive ao lado das pessoas do sindicato em todas as gestões. Quando percebia alguns furos, sempre participei das discussões e avaliações na tentativa de buscar soluções para os problemas. Posso citar aqui, o exemplo da primeira eleição para direção das UMEIs, quando perdemos por incompetência do jurídico.
Sinto-me muito triste e decepcionada ao perceber que pessoas que eu sempre tive como parceiras, façam críticas tão cruéis, e o que é pior, se colocam na posição de ataque. Pelo meu entendimento, pensamento antagônicos existem e devem existir, mas ataques não são produtivos. Coloquem os seus pensamentos em nossas reuniões. Vamos batalhar juntas para elevar o número de filiações ao sindicato, que até o momento são 290. Vamos construir juntas a nossa identidade nesta rede. Nós educadoras da diretoria não fazemos parte de um outro lado. somos educadoras como todas, sofremos como todas, sem distinção.
Maria Martha Ferrari

Laura disse...

Acredito que todos nós devemos sim, expor nossas opiniões, principalmente em um fórum como esse. É nesse intuito que queria escrever. Eu não me senti tão injuriada pelo fim da greve, nem as minhas colegas de UMEI. Achávamos que a greve deveria acabar pois não suportaríamos mais uma, duas semanas de greve. E foi com esse pensamento que votamos pelo final. Estive na greve desde o começo e fiz o possível para fazer dela o melhor. Participei do comando, fui às manifestações, me esgotei com muito orgulho. Conseguimos tudo que queríamos? Não, nem de longe. Conseguimos alguma coisa? Sim, não só pelo lado financeiro (que concordo é patético mas já é alguma coisa, considerando que não teríamos nada) mas pelo fato de ter conseguido mobilizar tanta gente, balançar algumas estruturas internas (das nossas próprias UMEI's e escolas) e externas.
Respeito quem acha que a greve não deveria ter acabado por essa ou aquela razão, cada um tem direito a sua opinião e levá-la a cabo. Só gostaria que a minha opinião fosse respeitada também. Não fui pelega nem covarde quando votei pelo fim da greve naquela assembléia, nem sou filiada a partido algum. Votei pelo que acredito assim como todos.
Dito isso, acho que temos que fortalecer a nossa luta sim, que temos que fazer mais coisas, e mais coisas visíveis para que a luta pela educação infantil e educadores seja mais marcante e vitoriosa.

Anônimo disse...

Pessoal,

Entrei na greve desde o começo e convenci muitas colegas aderirem o movimento porque acreditava na luta e na força da categoria.Mas, diante da postura da Vanessa, o que posso dizer com todas as letras é que enquanto essa senhora fizer parte da direção deste sindicato não serei nem mais afiliada do mesmo.

Anônimo disse...

Maria Martha, me poupe, né?
VC é golpista da chapa 2, acompanhante de escola da regional pampulha,não sei como vc conseguiu este trambique; desde de 2005 que eu não vejo nada de concreto da sua parte na luta da Ed.Infantil. Se as umeis têm 6 anos de existência na rede municipal e vc é, ou era da Umei Castelo, como vc pode falar em luta anterior a 2004?

Sei da luta da Lili, Stefânia, Antonieta, Cristiane, Thaís, Gislaine, Simone...

Vc nem trabalhou na campanha da sua chapa.

Não fale besteira, ok?

Aliás, eu respeito todas opiniões, mas quem é Laura? Ela fez parte do comando? Fui em todas as manifestações e jamais ouvi nenhuma Laura falando pela luta da ed.infantil.

Ah, nas manifestações nas câmaras, por exemplo, audiência pública dos 4 anos de gestão Lacerda apresentada pela Macaé, ensino noturno, na votação de projetos, na audiência da ed. infantil, manifestações da E.M Carlos Lacerda entre outras eu nunca vi Maria Martha e nem manifestações dessa Laura. Fui diretora do sindicato, como a Maria Martha pode postar tal comentário que acompanhou a gestão 2006/2009?

VC não foi corajosa o suficiente para continuar a greve, isso que vc tem que pautar, cara Laura. Pq ninguém foi nas duas umeis onde trabalho perguntar como as minhas colegas estão se sentindo após a fraqueza de uma minoria. Vc deve estar feliz com os 15,oo agora e mais 15,oo em setembro,né?

Luciene

Anônimo disse...

Desabafo é desabafo. Respeita-se o sentimento. Agora, a realidade e conquista real: Auxiliares, 15%; educadores(as) infantis, 8%.

É vitória da inteligência.

Anônimo disse...

Complementando: é a vitória da inteligência contra o "agorismo" leviano que apenas fortaleceria a PBH.

Vitória também no TJ, que, via legal, anulou decisão e multa de 50mil/dia contra o sindicato.

Parabéns à luta de todos(as). Todos(as) mesmo !

Mesmo os(as) afobados(as) foram fundamentais para a pressão: numa democracia, todos(as) têm espaço e lutam como querem/sabem/podem.

Rachar iguais é oportunismo casual; unir diferenças é nobilíssimo.

Maria Martha disse...

Baixaria? Tô fora.
Este blog não é sério,
Maria Martha

Cristiane disse...

Temos que ter cuidado é com as mentiras contadas aqui. Em respeito às/aos colegas que lêem este blog é que não vamos entrar nesses assuntos, né Maria Martha?
O blog pode não ser sério para vc, mas para quem LUTA pela educação infantil na PBH sempre foi.
Que pna que não é para vc!
bjos a todas/os,
Cris

Anônimo disse...

Cris,
Fiquei emocionada com o seu desabafo. Acredito agora que realmente vcs devem trilhar com independência, pois dignidade e honra nunca lhes faltaram.Queridas amigas da EI não deixem de se espelharem nessas meninas que estão na vanguarda da luta desde de 2004, enquanto a nova diretoria e representantes estavam bordando o próprio umbigo.
Com respeito e carinho ........*lili