quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Projeto muda nomenclatura do cargo de educador infantil, mas permanece com discriminação

Hoje na reunião com as diretoras e vice de escolas e UMEIs, o Prefeito Márcio Lacerda anunciou que será enviado um projeto para a câmara municipal com o objetivo de mudar o nome do nosso cargo para professoras da educação infantil. Por enquanto temos notícias de quatro pontos:



1. A mudança do nome do cargo de educador infantil para professor municipal da educação infantil e uma mudança aparente, pois permanece a quebra da carreira dos professores. Nossa reivindicação é a unificação da carreira.



2. Possibilidade de acumular dois cargos: já podemos e a PBH não pode mudar isto. Mesmo a PBH tende adiado a posse de algumas pessoas ela teria de efetivar a posse ou (como aconteceu) as pessoas ganhariam na justiça o direito de assumir o cargo. A PBH jamais poderia demitir quem já tem dois BMs e impedir que outras tomem posse.



3. Aposentadoria Especial de Professor: Este ponto é muito importante, até então quem tivesse de se aposentar deveria entrar na justiça para conseguir a aposentadoria especial e se fosse o caso, qualquer processo judicial daria ganho de causa para a gente, pois temos reconhecimento na legislação e resoluções nacionais de magistério / professor. Portanto o PL regulariza a situação na esfera municipal e nos tranqüiliza.



4. Possibilidade de dobrar como professor municipal, ganhando o dobro do vencimento, este ponto realmente precisa de um PL para se efetivar e é uma das nossas reivindicações antigas.



Na reunião de diretores houve a indicação de discussão com a SMED sobre a possibilidade das educadoras serem diretoras nas escolas exclusivas de educação infantil, temática abandonada pelo SindRede/BH na última eleição. Isto não está no projeto, mas há possibilidade de incluir.



No entanto permanece a diferenciação salarial e de plano de carreira: os professores do ensino fundamental e médio continuam ganhando mais q a gente; ao concluirmos cursos superiores subimos apenas 2 níveis, enquanto os professores sobem 10; abonos diferenciados, seja de fixação ou de reunião pedagógica são diferentes; UMEIs permanecem vinculadas a escola núcleo; não poderemos ser diretoras das escolas que tenham turmas de educação infantil; ...



E preciso pensar que o Ministério Publico, na conclusão do inquérito aberto, determina a adequação TOTAL do plano de carreira, inclusive salarial. Com este projeto, a PBH pretende acalmar o animo das educadoras com uma pequena vitória (pequena mesmo) e ludibriar a decisão do MP.



Durante as ferias já iniciamos varias frentes para a discussão deste projeto. Já marcamos uma reunião com uma advogada, já conversamos com vereadores e estamos agendado uma conversa com o promotor. No dia 31 de janeiro marcamos uma reunião com as educadoras / professoras, as 16h na UMEI Carlos Prates para decidimos qual caminho tomar de forma consciente. É importante estarmos esclarecidas pois dia 01 de fevereiro é dia escolar em toda a rede e precisamos repassar e avaliar coletivamente a proposta.



Vamos ficar atentas/os à chegada do PL na Câmara.



Esperamos vocês dia 31 as 16h na UMEI Carlos Prates.



Thaís, Cris, Antonieta, Cláudia, Sirleida, Dani Rocha, Dani Gorete

14 comentários:

InfoEducCSJT disse...

POR ACASO ALGUMA EDUCADORA ENTROU NA JUSTIÇA REINVIDICANDO MUDANÇA DE NOMENCLATURA? FAZ-ME RIR LACERDA!

InfoEducCSJT disse...

ASSIM COMO A PBH ACHA QUE NÓS, EDUCADORAS, SOMOS BOBAS NÓS DEVERÍAMOS COMEÇAR O ANO DE 2012 FAZENDO O MESMO...BOICOTE A TUDO QUE É FUNÇÃO DE PROFESSOR E IMPOSTO ÀS EDUCADORAS, TAIS COMO: PORTIFÓLIO, DIÁRIO DE CLASSE, RELATÓRIO DESCRITIVO DE ALUNOS, MOSTRA DE TRABALHOS PEDAGÓGICOS ETC ETC ETC....

Anônimo disse...

Acho que me enganei então, mas a Antonieta ficou muito emocionada, inclusive abraçou Macaé umas 2 vezes, inclusive na mesa e também o Lacerda,agradeceu no microfone o que foi dito. Ela está assinando esta postagem?
Sabe eu concordo com o que dizem aqui, mas estar escrito, estar na lei é muito importante, regularizar é uma luta a menos! Sou positiva, pra mim é ganho! Não conseguiremos isonomia fácil, a luta é para muito tempo!

katia Cardoso disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Não consegui, identificação, o blog está com problema nas contas google? verifiquem depois.

Educação Infantil na PBH disse...

Gente, foi um ganho apenas no que se refere às dobras, o restante já era direito garantido por legislações federais. Aceitar este projeto desta forma significa abrir mão da isonomia. Se vai haver um projeto, que seja com o reenquadramento da carreira.
Hoje o P1 ganha 1600 e alguma coisa e nós? Quanto ganhamos? Aceitar apenas mudar de educador para professor da educação infantil significa que jamais teremos direito de subir 10 níveis pela progressão, significa que depois dessa mudança qualquer outra vai ser mais dificil. O MP está do nosso lado e exigindo mudañça de verdade, se aceitarmos essa proposta estaremos recebendo migalhas e perderemos até o apoio do MP. Pensem bem.

carisma.atividades disse...

É estou cada vez mais triste com o tratamento que a PBH da a nós EDUCADORAS INFANTIS,mas acredito que esse projeto se puder ter alterações,emendas possa sim nos dá a tão sonhada isonomia.
Acredito tbém que devemos começar 2012 com força total pois é ano ELEITORAL, e eles não são bobos.

jace disse...

Gente, está na cara que é um projeto de cunho ELEITOREIRO. O Lacerda mostra aqui, que não está entendendo o que queremos de fato, ou então está se fazendo de desentendido. Se aceitarmos e ainda por cima, ficarmos "felizes" com esta pseudomudança, mostra que somos otárias. Na realidade, não mudou praticamente NADA! A discriminação continua. Continuam tratando a Educação Infantil como um trabalho menor, menos importante e isto não podemos aceitar, pois sabemos que não é.

Anônimo disse...

Durante o fórum, Marcio Lacerda assinou um projeto de lei, que será encaminhado à Câmara Municipal, cujo tema é a mudança do cargo de educador infantil para professor de educação infantil. “Com a aprovação desse projeto, o profissional da Educação poderá acumular cargos. Sendo assim, estamos valorizando ainda mais os funcionários”, destacou Marcio. Maria Antonieta Viana, educadora da Umei Carlos Prates, localizada na região Noroeste da capital, disse que a aprovação do projeto trará benefícios. “Seremos ainda mais reconhecidos pelo nosso trabalho com as crianças, já que o profissional da educação infantil tem uma importância fundamental no ensino”, disse.

Anônimo disse...

Reunião de categoria é no sindicato!Agora vem esse grupo com meia dúzia de educadoras, querendo fazer politica rasteira, solitária, qual é o objetivo? Nem o grupo de vocês está coeso, uma fala uma coisa outra posta o que a outra não concorda e ainda assina por ela! Pra mim esta reunião já está furada!

Anônimo disse...

Prezados/as anônimos,

Antes de marcarmos a reunião na UMEI Carlos Prates tentamos falar no sindicato, mas infelizmente em período de ferias o quadro de diretores/as e reduzido mesmo. No dia em questão só havia uma pessoa do Conselho Fiscal na sede e a mesma estava em uma ligação. Ao ligarmos mais tarde, já havia passado o horário de funcionamento.

Nao concordo q as reuniões tenham obrigatoriamente q ocorrer na sede do sindicato e tenho certeza q vc tb nao, pois já fizemos reuniões na porta de muitos prédios públicos e na câmara municipal. Se vc se referia a participação do sindicato nesta reunião, mais especificamente da direção, a diretora Letícia confirmou sua presença.

Com relação ao comentário da Antonieta que saiu no DOM, nao tenho duvida q a fala dela foi estrategicamente fragmentada. Se vc tem experiência de embates com a prefeitura, sabe q e comum. De qq maneira podemos pedir dia 31 q ela esclareça pessoalmente sua posição. Gostaria muito q vc estivesse presente, pois nossa idéia, como disse a diretora Letícia, e unir forcas e nao fragmenta-lá.

Thaís

Anônimo disse...

Uh!!!!! Bela resposta!!!!! Que ingenuidade, em pleno século XXI acreditar em tudo que é publicado em jornalzinhos!!!!!!!!!! Valeu Thaís!!!!!!!!! Continuemos a luta!!!!!!!!

Anônimo disse...

A questão não é "fala fragmentada", quem tava lá viu até beijinho na Macaé (2 vezes) e no lacerda!
Leia o texto da Mônica (prof UFMG) aí verás critica inteligente!

Anônimo disse...

Agora as babás estão querendo salário de Professor Municipal. Passem num concurso!