terça-feira, 23 de março de 2010

Assembleia aprova a continuidade da GREVE

Os/as Trabalhadores/as em Educação realizaram a segunda assembleia de greve deste ano. Sem nenhuma proposta do governo, a ampla maioria (quase unanimidade) definiu pela continuidade da greve.


A assembleia no Colégio Marconi representou para a categoria um marco no movimento, pois foi neste lugar que grandes greves tiveram início em um passado próximo. As assembleias lotadas, manifestações fortes e a luta da categoria garantiram muitos direitos que hoje brigamos para mantê-los e ampliá-los. Retomar esta história e dar início à greve com 70% de adesão é um importante passo para um novo capítulo da rede municipal.


A passeata ocupou as ruas desde a Av. do Contorno até a porta da PBH. Ao som da música "Enrolation do Lacerdão", caminhamos dando voz à indignação presente nas escolas pela discriminação contra os/as professores que trabalham na educação infantil; pelas propostas meritocráticas de remuneração que desconsideram direitos como a licença médica e maternidade; pelas ordens e instruções de serviços autoritárias; pela falta de recomposição salarial desde 2007; entre outras coisas.  


Estamos em greve por tempo indeterminado! Esperamos que esta situação se resolva logo, pois só voltaremos para as escolas depois de uma proposta concreta e satisfatória de reajuste salarial e unificação da carreira da educação infantil.

Abraços,
Thaís e Cristiane

6 comentários:

nice disse...

Prefeitura de BH entra na Justiça contra greve dos professores


Márcio Lacerda afirmou que movimento é político e não reivindicatório, e descartou, neste momento, reajuste de salários no funcionalismo


Denise Motta - Repórter - 23/03/2010 - 11:54


DENISE MOTTA


Márcio Lacerda espera para quarta-feira (24) que a Justiça se pronuncie

O prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB), acionou a Justiça para conter uma greve parcial na Educação. Lacerda disse considerar a greve uma decisão "política", pois os sindicalistas não apresentaram formalmente reivindicações. "Não temos pressa em negociar. Entramos, ontem (22) à noite, com ação na Justiça. Até amanhã, a gente espera que a Justiça se pronuncie porque essa é uma greve política, não é reivindicatória. É politica porque não há negociação. Os próprios pais foram contra a greve. Eles sequer protocolaram uma pauta de reivindicações".


O prefeito também avisou que por enquanto não tem perspectiva de reajustar salário de nenhuma categoria do funcionalismo. A longo prazo, estudos envolvendo a arrecadação do município podem proporcionar aumento. Lacerda destacou que a prefeitura, na área de Educação, tem remuneração melhor que a do Estado, mesmo com o reajuste de 10% anunciado na segunda-feira pelo goveranador Aécio Neves (PSDB) para todos os servidores estaduais.


Adriana Mansur, diretora do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Municipal de Belo Horizonte (SindRede), condenou a postura da PBH de entrar na justiça contra a greve. "Temos 70% das 240 unidades escolares paradas. A greve começou dia 18 e ganha a cada dia força. Hoje à tarde realizamos uma assembleia para discutir os rumos do movimento. É lamentável o prefeito entrar na Justiça. Greve é um direito do cidadão", posicionou-se sindicalista.



Segundo ela, os grevistas ainda não foram notificados pela Justiça. As reivindicações principais, segundo ela, é recomposição salarial de 22,41% e equiparação salarial das professores de educação infantil com os demais.



O prefeito também comentou nesta terça-feira (23) a respeito de pesquisa da Organização das Nações Unidas (ONU) divulgada recentemente, na qual a capital mineira surge no topo do ranking de cidades desiguais em todo o mundo. Lacerda questionou os critérios do estudo, considerando que discrepâncias envolvendo a renda não pode ser associada à desigualdade social.

Anônimo disse...

É e agora José????? Deu até meda...o que faremos agora.....

Anônimo disse...

Bom pessoal, esse cara esta deixando bem claro que não está nem aí pra educação, o minímo que podemos fazer é continuar a greve firme e forte e mostrar que não estamos brincando e muito menos que estamos dispostos a abrir mão do nosso direito constitucional à greve....

Educação Infantil na PBH disse...

Gente,
o prefeito está cumprindo o papel dele que é fazer pressão para nos desmobilizar... vamos mostrar pra ele que temos força e que nossa força nãos erá rompida apenas com ameaças não.

Agora um dado importante: Em 2005, na greve de maio, a PBH entrou na justiça comtra greve e ela foi julgada ilegal, mas até hoje o sindicato não foi FORMALMENTE comunicado disto. E mesmo que a justiça julgue a greve ilegal ainda poderemos recorrer da decisão.

Abraços,
Cristiane

Anônimo disse...

Ok! Espero que a nossa luta não seja em vão....eu desejo muito ser reconhecida pela prefeitura como professora.
Bel - Umei Gameleira

Marcinha disse...

Acessem www.youtube.com.br
GREVE PROFESSORES PBH

Abraços
Marcinha