segunda-feira, 29 de março de 2010

Professoras da Educação Infantil de Angra dos Reis são perseguidas por lutarem por seus direitos

Oi, gente!

Como já comentamos aqui, estamos em contato com várias professoras da educação infantil do Brasil procurando um movimento nacional pela valorização das professoras que trabalham nesta etapa da educação básica. Há um movimento muito bonito e forte em Angra dos Reis. Elas criaram um blog e estudam profundamente possibilidades para conquistarem os direitos de professoras e serem reconhecidas. O cargo que ocupam é de "Auxiliar de Creche", apesar de assumirem turmas.

Só o cargo já é vergonhoso para a Prefeitura da Cidade, mas aconteceu algo pior: na avaliação de desempenho delas (um pouco diferente da nossa aqui, pois apenas a chefia imediata avalia), a nota foi baixíssima. E o "engraçado" é que isso ocorreu após a criação do blog e as diversas denúncias feitas (antes as notas eram altas).

Solicitamos que vcs encaminhem com urgência e-mails para sec.gab@angra.rj.gov.br (Secretaria de Educação do município) solicitando que revejam a nota das companheiras da educação infantil que estão à frente do movimento. O nome da Secretária é LUCIENE RABHA.

Um abraço,
Thaís, Cristiane e Gislane

6 comentários:

Educação em F disse...

Já Enviei. É muito importante estarmos unidas, pois disso depende nossa valorização.

Cleizibel disse...

Vamos ajudar sim, certamente essse equívoco será revisto...muita sorte para todas nós....

Anônimo disse...

que absurdo!!!!!!!! vou mandar um e-mail!

Cristina

Anônimo disse...

Justiça suspende greve de professores


Decisão vale a partir desta quarta (31). Se a categoria não voltar para a sala de aula terá que pagar multa diária de R$ 50 mil


Celso Martins - Repórter - 30/03/2010 - 19:40. Última Atualização: 22:11



O desembargador Eduardo Andrade, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), determinou nesta terça-feira (30) à noite a suspensão da greve dos professores da rede municipal de educação de Belo Horizonte, iniciada no dia 18 de março. A decisão vale a partir desta quarta-feira (31). Se a categoria não voltar para a sala de aula, o Sind-Rede BH, que representa os servidores, terá que pagar multa diária de R$ 50 mil. Na segunda-feira (5), os professores das escolas particulares ameaçam fazer uma nova paralisação, como aconteceu na última sexta-feira (26).



No pedido de suspensão da greve, os advogados da Prefeitura de Belo Horizonte alertaram que os alunos são os maiores prejudicados, com perda do aprendizado. Em reunião realizada nesta terça-feira (30) à noite, a direção do sindicato decidiu manter a greve até a próxima segunda-feira (5), quando acontece uma assembleia dos professores. Uma das coordenadoras do Sind-Rede BH, Ednéia Rodrigues, informou que somente os servidores podem decidir pelo fim da greve.



Na rede municipal de educação são cerca de 184 mil alunos em 180 escolas. A Secretaria Municipal de Educação (Smed) alega que a adesão à greve é de 30%, enquanto o Sind-Rede BH informa que 70% dos professores estão sem trabalhar. Os professores querem aumento de 22,41% para recompor as perdas desde 1996.



Segundo a Smed, a categoria decidiu entrar em greve no dia em que seria realizada uma reunião de negociação, um dos motivos de a Prefeitura de Belo Horizonte não ter apresentado índice de reajuste.

Anônimo disse...

Justiça suspende greve de professores


Decisão vale a partir desta quarta (31). Se a categoria não voltar para a sala de aula terá que pagar multa diária de R$ 50 mil


Celso Martins - Repórter - 30/03/2010 - 19:40. Última Atualização: 22:11



O desembargador Eduardo Andrade, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), determinou nesta terça-feira (30) à noite a suspensão da greve dos professores da rede municipal de educação de Belo Horizonte, iniciada no dia 18 de março. A decisão vale a partir desta quarta-feira (31). Se a categoria não voltar para a sala de aula, o Sind-Rede BH, que representa os servidores, terá que pagar multa diária de R$ 50 mil. Na segunda-feira (5), os professores das escolas particulares ameaçam fazer uma nova paralisação, como aconteceu na última sexta-feira (26).



No pedido de suspensão da greve, os advogados da Prefeitura de Belo Horizonte alertaram que os alunos são os maiores prejudicados, com perda do aprendizado. Em reunião realizada nesta terça-feira (30) à noite, a direção do sindicato decidiu manter a greve até a próxima segunda-feira (5), quando acontece uma assembleia dos professores. Uma das coordenadoras do Sind-Rede BH, Ednéia Rodrigues, informou que somente os servidores podem decidir pelo fim da greve.



Na rede municipal de educação são cerca de 184 mil alunos em 180 escolas. A Secretaria Municipal de Educação (Smed) alega que a adesão à greve é de 30%, enquanto o Sind-Rede BH informa que 70% dos professores estão sem trabalhar. Os professores querem aumento de 22,41% para recompor as perdas desde 1996.



Segundo a Smed, a categoria decidiu entrar em greve no dia em que seria realizada uma reunião de negociação, um dos motivos de a Prefeitura de Belo Horizonte não ter apresentado índice de reajuste.

Professora disse...

Agradecemos imensamente o carinho e apoio demostrados pelos companheiros da educação Infantil na PBH, isso demonstra a força e união que conquistamos dia após dia até que a educação infantil juntamente com todos os profissionais que nela atuam sejam merecidamente reconhecidos pelo valor que tem.
estamos daqui na torcida para que obtenham êxito com a greve.Força!
Abraços.